NOTÍCIAS | COOPERATIVAS DO AGRO
Quinta-Feira, 23 de Junho de 2022, 08h:00
Cooperativas do Agro: em um ano difícil, união fará a diferença no enfrentamento do mercado
Hora de planejar

Assessoria Sistema OCB/MT
Cuiabá / MT
noticias@ocbmt.coop.br

Cooperativas do Agro: em um ano difícil, união fará a diferença no enfrentamento do mercado

Hoje, as cooperativas são responsáveis por 45,4% de tudo que é produzido no estado

As perspectivas para o próximo ano não são boas para setor de commodities. Principalmente para os pequenos produtores, que em Mato Grosso são empresários rurais com até 1 mil hectares. Eles representam quase 70% do total e podem se ver em uma conjuntura estreita por conta do custo de produção, agravado pelo aumento dos insumos, que a tudo indica, não acompanhará o acréscimo no valor da comercialização, como no ano passado.

Um cenário, descrito pelo superintende do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Cleiton Gauer, que só poderá ser vencido com os agricultores articulados e organizados, por vezes em cooperativas, para conseguir volume nas compras, acesso ao armazenamento, crédito e comercialização em escala.

Conforme as pesquisas do Imea, no custeio da soja, por exemplo, a previsão de acréscimo este ano será 53% que no ano anterior. E se comparado ao ano de 2020, o percentual chega a 100%. Apenas um dos adubos usados na cultura, o fosfato monoamônico (MAP), custava R$ 2 mil a tonelada em 2020 e, este ano, chegou a 7 mil.

Cooperativas do Agro: em um ano difícil, união fará a diferença no enfrentamento do mercado

superintende Imea, Cleiton Gauer

Pandemia, guerra, inflação. Muito ingredientes que podem trazer um sabor amargo aos negócios rurais, principalmente quando se é pequeno e não consegue produzir em escala e assim ter poder de barganha e nem recursos para financiar o plantio. Para Gauer, com a expectativa de redução do Plano Safra e aumento da taxa Selic, os empréstimos serão poucos e caros, o que deixará este público ainda mais vulnerável.

O superintendente ressalta ainda que este imbróglio vai afetar vária cadeias produtivas, pois o pecuarista precisa de pasto e de ração, que é feita de grãos, formando assim uma espécie de “looping”, onde a união será essencial para sair bem deste círculo.

Cooperativas e o agro

Diante do que foi apresentado, Gauer acredita que as cooperativas do agro podem ajudar na sobrevivência dessas empresas do campo. O sistema está crescendo a cada ano, já tem números expressivos em Mato Grosso e grande potencial de expansão, principalmente porque acaba tendo na crise uma grande alavanca. Afinal de contas, a dificuldade fomenta a união.

Hoje, as cooperativas são responsáveis por 45,4% de tudo que é produzido no estado nas culturas soja, milho, algodão, cana-de-açúcar, arroz, feijão e girassol. Um percentual que representa 39,5 milhões, das 87,07 milhões de toneladas produzidas em Mato Grosso, conforme dados da safra 2018/2019, de acordo com o Censo das Cooperativas Agrícolas de Mato Grosso.

Atualmente, segundo dados do Sistema de Organização das Cooperativas Brasileiras em Mato Grosso (OCB/MT), o estado tem 59 cooperativas do setor agropecuário e, juntas, elas reúnem 10.012 cooperados e mais de 2 mil empregados.

O superintendente da OCB/MT, Frederico Azevedo, explica que a entidade está aberta para auxiliar na abertura de novas cooperativas, principalmente ajudando a avaliar o modelo de negócio, o propósito

Cooperativas do Agro: em um ano difícil, união fará a diferença no enfrentamento do mercado

Superintendente da OCB/MT, Frederico Azevedo

da formação, bem como a viabilidade econômica. Também dá todo suporte para gestão das unidades e formação dos integrantes.

Azevedo explica que a cooperativas terão papel importante este ano, principalmente no que diz respeito a compra e importação de insumos. As notícias já estão mais do que massificadas, que a maior parte do cloreto de potássio usado na lavoura do país vinha da Rússia e Bielorrússia. E, a paralisação dos portos e produção, gerou uma quebra na cadeia.

Então, a busca pelo produto, que é vital para as propriedades, passou a ser alvo de disputas comerciais e na hora de negociar, ganha quem tem mais volume. Quem compra em pequena quantidade, corre o risco de ficar com o que sobra ou pagar mais caro.

De acordo com o superintendente muito além de comprar e vender, várias outras finalidades podem gerar uma cooperativa, como a armazenagem de grãos, por exemplo. Muitas vezes, ter uma estrutura para tal é caro para um produtor. Contudo, quando ele se junta a outros, consegue ter acesso ao serviço que traz lucro, uma vez que garante a qualidade da produção, que é melhor avaliada durante a venda. Ele argumenta ainda que algumas regiões estão com expansão de lavoura e há outras culturas, como o feijão, que já mereceriam uma cooperativa.

Além dessas constituições, que trazem resultados mais imediatos, é possível pensar em cooperativas destinadas ao beneficiamento dos grãos ou agroindustrialização, o que agregaria valor ao material, além de créditos específico para produção, como foi feito na cadeia de gergelim.

SOMOSCOOP - A Organização das Cooperativas Brasileiras de Mato Grosso – Sistema OCB/MT – é uma entidade formada por 3 instituições que fazem papéis distintos e ao mesmo tempo interligados, focados no suporte às cooperativas: OCB/MT - Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras de Mato Grosso; Sescoop/MT - Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Mato Grosso; e o I.Coop - Faculdade de Cooperativismo.

Caso tenha interesse em formar uma cooperativa ou entender um pouco mais de seus benefícios entre em contato com o Sistema OCB/MT (65-3648 2400) ou acesse nosso site: https://www.ocbmt.coop.br/

 

 

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




OCB/MT - Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado de Mato Grosso
SESCOOP/MT - Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Mato Grosso
I.COOP - Faculdade do Cooperativismo





Logo

Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet