NOTÍCIAS | COOPERATIVISMO
Quarta-Feira, 08 de Maio de 2019, 11h:07
Estadão entrevista presidente da ACI
Presidente participa da 14ª edição do CBC

Paulo Beraldo, O Estado de S. Paulo
noticias@ocbmt.coop.br

PRESIDENTE DA ACI.jpg

Argentino Ariel Guarco, presidente da Aliança Cooperativa Internacional (ACI)

As cooperativas devem ser protagonistas no processo de transformação da economia e ter mais diálogo com os parlamentares, não devendo apenas reagir em momentos de incerteza, afirmou no dia 07 de maio, o argentino Ariel Guarco, presidente da Aliança Cooperativa Internacional (ACI), que reúne 315 organizações cooperativas de 110 países.
"A veloz transformação da economia e a digitalização da maioria dos processos de produção, circulação e consumo de bens e serviços nos obriga a ser protagonistas. Se deixarmos que todo esse processo fique em mãos de grandes corporações, não estaremos cumprindo o papel", disse em entrevista ao Estadão/Broadcast.
Guarco está no Brasil para participar da 14ª edição do Congresso Brasileiro do Cooperativismo, que começa na quarta-feira, 8, em Brasília, e vai até sexta-feira, 10. O evento vai tratar de desafios do cooperativismo no mundo, como governança e gestão, inovação, comunicação e representação política, e deve receber até 1.300 pessoas.
Guarco afirmou, ainda, que é preciso que as cooperativas dialoguem com todas as forças políticas. "Não podemos reagir somente quando querem nos impor mudanças normativas ou mudanças governamentais que nos prejudicam. Temos de ser capazes de falar com todas as forças políticas e incidir sobre elas para gerar contextos amigáveis de desenvolvimento do setor", diz ele.
Abaixo, trechos da entrevista:
- Como enxerga neste momento a representação política do cooperativismo?
Ariel Guarco - É fundamental haver representantes nos sistemas políticos de cada país que entendam e possam defender o cooperativismo. Seguramente é louvável que dirigentes do nosso setor queiram assumir pessoalmente este desafio, mas também é necessário aumentar as redes de parlamentares cooperativistas.
O Brasil é um bom exemplo disso e, na Argentina, buscamos criar algo similar. Não podemos reagir somente quando querem nos impor mudanças normativas ou mudanças governamentais que nos prejudicam. Temos de ser capazes de falar com todas as forças políticas e incidir sobre elas para gerar contextos amigáveis ao desenvolvimento do setor, entendendo que ele favorece o desenvolvimento das comunidades.
- Hoje há mais de 1 bilhão de pessoas ligadas ao cooperativismo. Como vê o alinhamento das lideranças da América do Sul ao cooperativismo?
Guarco - Nosso setor deve ser capaz de dialogar com todos os setores democráticos que atuam nos cenários políticos de cada país. Quanto mais os líderes nos conhecem e quanto mais capacidade de diálogo, melhor. É claro que pode haver mudanças abruptas nas linhas de governo, mas elas não deveriam alterar as alianças estratégicas que, como setor, temos de ter com o Estado em seus diferentes níveis.
Sem dúvida há líderes que nos reconhecem e nos dão mais participação que outros, mas em todos os países da América do Sul existem organizações setoriais potentes que podem e devem incidir para melhorar as condições políticas e normativas em favor das cooperativas. Temos que assegurar que os governos, mais do que as lideranças, nos levem em conta para trabalhar em grandes eixos como o desenvolvimento sustentável, a paz, os direitos humanos e os programas econômicos que coloquem no centro o ser humano.
- O Brasil tem mais de 300 startups voltadas para o agronegócio. Algumas são apoiadas por cooperativas. Esse movimento é algo que deve ser incentivado no futuro?
Guarco - Sem dúvida. A veloz transformação da economia e a digitalização da maioria dos processos de produção, circulação e consumo de bens e serviços nos obriga a ser protagonistas. Se deixarmos que todo esse processo fique em mãos de grandes corporações, não estaremos cumprindo o papel que temos como empresas democráticas a serviço da comunidade.
Muitos jovens estão investindo impulsionados por essas correntes da economia colaborativa. É preciso trabalhar para distribuir as oportunidades e incorporar a maior parte possível de pessoas para uma lógica cooperativista.
- Falando em jovens, um dos principais problemas da agropecuária no planeta é a sucessão rural. Muitos querem deixar a atividade agrícola. Como o cooperativismo pode ajudar a resolver esse problema?
Guarco - É preciso mostrar às novas gerações as vantagens do cooperativismo no agronegócio. As cooperativas podem inovar na produção agrícola sem deixar de lado seus princípios e valores, e atuar de maneira independente. Os jovens são os mais indicados para levar a cabo a incorporação de novas tecnologias no âmbito agropecuário.
Há grandes cooperativas que demonstram sua eficácia no agronegócio e também existem as pequenas fomentando o associativismo em ciclos de produção e consumo mais curtos, próprios da agricultura familiar. Na 5ª Conferência Cooperativa das Américas, realizada em Buenos Aires em outubro do ano passado, um dos três consenso foi a "defesa do planeta".
Observamos que no mundo cresce o número de pessoas que padecem de fome e que, em muitos países, particularmente do Sul, continua havendo muita desigualdade de acesso a alimentos. As cooperativas são as mais adequadas para promover a democratização do sistema agroalimentar promovendo nas áreas rurais um trabalho decente, a igualdade de gênero e o cuidado com recursos naturais. O cooperativismo também está do outro lado da cadeia, dos consumidores. A articulação entre esses dois elementos - produção e consumo - pode manter o equilíbrio em termos territoriais e demográficos.
- Como avalia o papel do cooperativismo em um contexto de avanço da economia colaborativa?
Guarco - É um desafio enorme que estamos assumindo. As novas gerações estão e estarão cada vez mais com o espírito empreendedor dessa nova etapa do capitalismo mundial. Mas uma coisa é fazê-lo de modo individual e outra de forma coletiva. Hoje, de um modo um tanto quanto confuso se denomina de economia colaborativa essas plataformas que dominam a economia global.
No entanto, o controle da maioria das plataformas, assim como dos lucros e os dados gerados por elas, estão concentrados em poucas mãos. As cooperativas são chave para democratizar esse sistema de economias digitais onde tanto produtores como consumidores podem ter o controle.
- Qual o papel do cooperativismo no fomento do desenvolvimento sustentável, conforme sugere a Organização das Nações Unidas?
Guarco - Desde a criação da primeira cooperativa da era moderna, em 1844, nossas organizações sempre serviram ao que agora é definido como desenvolvimento sustentável. Trabalho decente, saúde e bem-estar, igualdade de gênero, cuidado com o meio ambiente e compromisso com a paz, para citar apenas algumas das metas estabelecidas pelas Nações Unidas, são sempre pilares do empreendimento cooperativo.
Temos a capacidade de atuar em diferentes setores, na produção rural e industrial, no consumo, na saúde e educação, no habitat e muitos mais. Tudo isso nos torna um movimento muito poderoso quando se trata de abordar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS 17), que pede a criação de alianças globais na busca do desenvolvimento sustentável.

Fonte: Estadão

 

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




OCB/MT - Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado de Mato Grosso
SESCOOP/MT - Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Mato Grosso
I.COOP - Faculdade do Cooperativismo





Logo

Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet