Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado de Mato Grosso

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Mato Grosso

Mato Grosso - Brasil

Cooperativas de MT

Busca de Cooperativas de MT
Acessar

Intranet

Usuário:
Senha:
Acessar
RAMO AGRO
O preço do leite despencou. E agora?
Artigo de Alexandre M. Pedroso

Por Alexandre M. Pedroso

 O preço do leite despencou. E agora?

Consultor de Bovinos Leiteiros da Cargill Nutrição Animal, Alexandre M. Pedroso

Como eu já disse inúmeras vezes, sustentabilidade é um conceito que tem três pilares fundamentais: responsabilidade ambiental, responsabilidade social e responsabilidade econômica. Ou seja, para que uma empresa seja de fato sustentável ela precisa ser ambientalmente amigável, socialmente responsável e, principalmente, precisa ser lucrativa já que não existe sustentabilidade sem lucro. Nos últimos meses vimos o preço do leite literalmente despencar no Brasil, e isso, sem sombra de dúvidas, compromete a lucratividade das fazendas leiteiras. Com esse cenário, o que o produtor de leite deve fazer?

Uma das coisas que parecem óbvias diante desse cenário é cortar custos. Toda e qualquer fazenda, para ser eficiente e lucrativa, precisa controlar muito bem os seus gastos, o seu fluxo de caixa. As despesas que não têm impacto direto na produção devem ser reduzidas ao mínimo necessário para manter a estrutura funcionando. No entanto, quando se trata de custos, que são os investimentos feitos nos fatores de produção, é preciso ter muita atenção e pensar estrategicamente. Os custos devem ser controlados, mas nem sempre cortar alguns deles é o melhor caminho.

Infelizmente, cortar a comida das vacas é uma das práticas ainda largamente adotadas em nosso país quando o preço do leite cai. Não há dúvidas de que a alimentação do rebanho é o principal item de custo em sistemas intensivos de produção, especialmente os alimentos concentrados. Mas será que a melhor alternativa é reduzir a oferta de ração para as vacas com o objetivo de diminuir os gastos da fazenda?

 

Vamos avaliar uma situação em que um produtor de leite decide reduzir a oferta de concentrado para as vacas em lactação quando o valor que ele recebe pelo leite cai de R$ 1,40 para R$ 1,20/litro. Suas vacas produziam em média 30kg leite ao dia e consumiam 10kg de um concentrado comercial com 22%PB. Este é o Cenário 1, descrito na tabela 1 abaixo.

O preço do leite despencou. E agora?

 

O Cenário 1 representa a situação normal da fazenda, ou seja, a dieta fornecida às vacas é a que foi formulada pelo técnico nutricionista: as vacas recebem 10kg de concentrado/ dia e produzem em média 30kg leite. O custo da comida é de R$ 16,52/vaca/dia, considerando que o concentrado custa R$ 1,19/kg. Com o preço do leite a R$ 1,20/litro, a receita que cada vaca proporciona é de R$ 36,00/ dia. Descontando-se o custo de alimentação, sobra R$ 19,48/dia (RMCA). Se considerarmos que esse produtor tem 50 vacas em lactação, a cada mês o RMCA é de R$ 29.220,00. Esse é o dinheiro que sobra para pagar os demais custos e despesas e apurar o lucro.

 

O Cenário 2 reflete uma situação em que o produtor decide cortar custos e reduz a oferta de ração para as vacas, passando a dar 8kg de concentrado – 2kg a menos. Nesse caso, mesmo considerando que as vacas irão consumir um pouco mais de alimentos volumosos, o custo de alimentação cai para R$ 14,53/vaca/dia. Em termos percentuais isso significa uma economia de 12%, mas será que foi um bom negócio?

Nessa situação a produção das vacas diminui, e bastante, em resposta à menor oferta de concentrado, e assim a receita apurada com o leite também diminui, de forma que o RMCA fica em R$ 16,67/vaca/dia ou R$ 25.005,20/mês. Isso representa uma redução de 14% nesse parâmetro, ou seja, o saldo é muito pior do que no cenário anterior.

Se o produtor decidir reduzir ainda mais a oferta de ração para as vacas a situação piora, conforme ilustrado no Cenário 3 da tabela. O custo de alimentação diminui, mas a RMCA diminui ainda mais, de forma que sobre muito menos dinheiro no final do mês. Ou seja, esse exemplo mostra de forma muito clara que reduzir a ração das vacas para tentar economizar dinheiro pode ser um grande “tiro no pé”. Controlar custos sempre é importante, mas é preciso focar no lucro. Se a redução no custo operacional resultar em menor lucro, o produtor perderá dinheiro.

Mas, de forma alguma isso significa que o produtor não tem saída para lidar com preços reduzidos do leite. Há muita coisa que pode ser feita na fazenda para melhorar a margem de lucro, mas tudo passa por um conceito muito importante: eficiência produtiva. Há inúmeros aspectos no dia a dia da propriedade que podem afetar significativamente a eficiência e que muitas vezes são ignorados por boa parte dos produtores de leite. Dentre estes podemos citar as perdas na armazenagem de grãos e alimentos concentrados em função de estocagem mal feita; perda de capacidade produtiva das vacas por falta de condições adequadas de conforto; falhas no manejo da alimentação, como cargas e misturas mal feitas; e baixa qualidade dos alimentos volumosos produzidos na fazenda.

Ainda há propriedades leiteiras que conseguem utilizar apenas 80% ou menos dos grãos de milho que compram para alimentar as vacas. Isso ocorre, na maioria das vezes, por armazenamento inadequado que resulta em apodrecimento e perda de parte do material. Além disso, há o risco de intoxicação das vacas pela presença de micotoxinas produzidas por fungos que se desenvolvem nos grãos em condições ruins de armazenagem. Essas toxinas causam perdas em produção de leite, bem como comprometem a reprodução das vacas. Por isso, todo alimento deve ser muito bem armazenado na fazenda para que se mantenha em condições adequadas de fornecimentos para os animais e para evitar despesas extras geradas pelas perdas.

A questão do conforto animal é de fundamental importância para o bom desempenho e eficiência do rebanho. Uma vaca leiteira sob stress calórico, por exemplo, pode perder 30% ou mais de sua capacidade produtiva, além de também ter seu desempenho reprodutivo comprometido. Qual o peso disso no bolso do produtor? Dar às vacas condições adequadas de conforto é fundamental para que possam ser eficientes.

O processo de alimentação das vacas é crítico para que os alimentos, que representam o maior custo de produção, sejam utilizados com eficiência na fazenda. É fundamental manter uma rotina rígida de controle das misturas oferecidas às vacas, de forma que a dieta colocada no cocho seja igual à que foi formulada pelo técnico nutricionista. Misturas mal feitas resultam em baixa eficiência alimentar e pior desempenho dos animais, o que compromete seriamente a lucratividade da fazenda. É importantíssimo ficar sempre muito atento a esse aspecto.

Talvez o maior problema das fazendas brasileiras seja a baixa qualidade dos alimentos volumosos, tanto as pastagens e forragens conservadas, como silagem de milho, pré-secados ou fenos. Quanto melhor a qualidade dos volumosos, menor a necessidade de fornecer concentrado para se alcançar uma determinada meta de produção, o que representa custo de alimentação menor. Os esforços investidos na produção de um alimento volumoso de alta qualidade são altamente compensadores,

Cada um dos aspectos mencionados acima poderia ser tema de um artigo completo, no entanto, o objetivo aqui foi de pontuar que cortar a ração das vacas nunca é a melhor alternativa . Via de regra, isso resulta em menor RMCA, mesmo que haja redução de custos. O segredo para se trabalhar bem em épocas de crise é buscar incessantemente a máxima eficiência em todos os processos produtivos, e certamente há muito espaço para ser mais eficiente nas fazendas de leite, independentemente do sistema e nível tecnológico adotados.

Sobre a Cargill

 

A Cargill produz e comercializa internacionalmente produtos e serviços alimentícios, agrícolas, financeiros e industriais. Em parceria com produtores, clientes, governos e comunidades, e por meio de 150 anos de experiência, ajuda a sociedade a prosperar. Possui 155 mil funcionários em 70 países que estão comprometidos em alimentar o mundo de forma responsável, reduzindo impactos ambientais e melhorando as comunidades onde vivem e trabalham.   No Brasil desde 1965, é uma das maiores indústrias de alimentos do País. Com sede em São Paulo (SP), a empresa está presente em 17 Estados brasileiros por meio de unidades industriais e escritórios em 191 municípios e mais de 10 mil funcionários. Para mais informações, visite www.cargill.com e a central de notícias

Sobre a Nutron

 

 

A Nutron, marca de nutrição animal da Cargill no Brasil é especialista e líder em soluções inovadoras de produção animal por meio de desenvolvimento de núcleos, premixes e especialidades para os segmentos de aves, suínos, peixes, pets, bovinos de leite e de corte e suplementos para criação de gado a pasto. Há 21 anos no País, a marca sempre atuou próximo do produtor para atender sua demanda com conveniência, qualidade e segurança contribuindo com a prosperidade nos negócios de cada cliente. A companhia também promove ações socioambientais nas comunidades onde está inserida, pois considera ser seu dever atuar de maneira responsável para o desenvolvimento e crescimento sustentável de toda a cadeia produtiva do agronegócio. www.nutron.com.br


Confira também:
13.12.17 09h51 » Votação da Base tem data marcada
13.12.17 09h47 » Funrural ganha novo projeto
13.12.17 09h42 » OCB acompanha PEC 37 com preocupação
13.12.17 09h35 » Vitória das cooperativas de crédito
12.12.17 10h29 » Cooperativismo - Faça Crescer
12.12.17 10h22 » Coopema é o melhor no Enem em Barra do Garças
12.12.17 09h41 » Sicredi disponibiliza Seguro Agrícola
12.12.17 09h39 » Coopema conquista Copão
12.12.17 09h10 » PLP 100 na pauta do Senado
12.12.17 08h46 » Primeiras perspectivas para o agro em 2018
11.12.17 10h42 » CFC aprova a Norma ITG 2004
11.12.17 10h21 » Educação financeira é pauta do Sicredi
11.12.17 10h19 » Sicoob inaugura agência em Juína
11.12.17 10h12 » Coogavepe vence prêmio nacional
11.12.17 10h07 » Conhecer para Cooperar
11.12.17 10h02 » Garibaldi recebe prêmio Mérito Lojista
11.12.17 09h59 » Programa União Faz a Vida
07.12.17 09h30 » Desafios do Ramo Trabalho
07.12.17 09h30 » Unicred é vencedora da categoria CRM
07.12.17 09h30 » Copom baixa juro básico para 7%
07.12.17 09h27 » Governança em cooperativas
07.12.17 09h22 » Conhecer para cooperar
07.12.17 08h56 » Tudo pronto para as férias de verão?
06.12.17 11h31 » Coogavepe promove Projeto de Educação Ambiental
06.12.17 11h22 » Coogavepe recebe Comitiva de Tocantins
06.12.17 10h00 » Embrapa aposta na tecnologia digital
06.12.17 09h56 » Ramo trabalho debate legislação e ato cooperativo
06.12.17 09h51 » O preço do leite despencou. E agora?
06.12.17 09h43 » Aplicativo ‘Faça Parte’ do Sicoob é premiado
06.12.17 09h41 » Sicredi ganha Prêmio Relatório Bancário
05.12.17 14h42 » Formatura do “Terceirão” da Coopema
05.12.17 10h49 » Censo Agro visitou 2,2 milhões de propriedades
05.12.17 10h48 » 5º fórum nacional de agronegócio
05.12.17 10h46 » Ramo transporte está na contramão da crise
05.12.17 10h44 » Catamoedas chegam às agências do Sicredi
05.12.17 10h42 » Projeto Forças no Esporte
04.12.17 10h30 » Governo amplia benefícios da PAA
04.12.17 10h26 » Prêmio Café Brasil de jornalismo
04.12.17 10h25 » OCB e Embrapa divulgam dados do censo leite
04.12.17 08h37 » Cooperativismo para uma vida financeira saudável
04.12.17 08h30 » ‘O Voo do Zangão’
01.12.17 10h24 » App do Sicoob habilita acesso por selfie
01.12.17 09h29 » Sicredi Ouro Verde e ALMT criam convênio
01.12.17 09h18 » Coopema realiza Festa das Cores
01.12.17 09h01 » Cooperativas de crédito podem captar recursos de municípios
30.11.17 10h33 » PLP 100 aprovado para cooperativas de crédito
30.11.17 09h01 » Força das cooperativas é destaque em jornal
29.11.17 14h58 » Líderes Cooperativistas traçam metas
29.11.17 11h44 » Time de vôlei da Coopema conquista mais um título
29.11.17 11h03 » Sicredi Sul recebe prêmio Acir



Eventos


Videos



Galeria de Fotos


 

"Cooperativismo. Você participa. Todos crescem."